Quem

Outubro 24, 2014

Quem
Quem nunca fez uma loucura?
Caminhar pelas ruas escuras
Sentir a brisa do mar
Em plena tempestade
Na loucura que vivi
Tanto tempo…não .. não esqueci
Dói-me a alma de saudade
Por tão longe estar de ti.
Do teu doce rosto ausente de idade
Que ainda muito presente
Recordo apenas na minha vontade
Aquela ternura que sempre senti
Jorge Pereira

Sur
Sur
Qui n’a jamais fait ce fou?
Marcher dans les rues sombres
Sentez la brise de mer
Par temps orageux
Dans la folie j’ai vécu
Tant … non .. pas oublié
Il blesse mon âme de désir
Pour être si loin de vous.
Votre manque de la vieille doux visage
Toujours très présent
Rappelez-vous simplement dans ma volonté
J’ai toujours pensé que la tendresse

Jorge Pereira

Odalisque aux boucles d’oreilles

Outubro 3, 2014

Angélique Bègue

© Annick M (chambre photographique grand format) © Annick M (chambre photographique grand format)

View original post

Pistantrofobia

Setembro 27, 2014

O QUE FAZER QUANDO SE TEM PISTANTROFOBIA?

 

Nada pior do que não conseguir ter novos relacionamentos amorosos por medo de que aconteça tudo de ruim que aconteceu com você na última vez que se relacionou.

Difícil de acreditar, mas aconteceu. Você perdeu. Desistiram de você. Não quiseram mais continuar. Não tem mais volta. E mesmo se tivesse, aquele relacionamento não foi saudável para você. Você se dedicou tanto, fez tanto pela outra pessoa, e, no final, terminou só. Você sofre, sofre, e depois de um longo tempo se recuperando, percebe que não sente mais confiança em iniciar um relacionamento sério com mais ninguém. Parece que a qualquer momento pode acontecer tudo de novo. E esse receio faz você se afastar de qualquer pessoa que demonstre a intenção de ter um relacionamento sério . Sim, você é pistantrofóbico. Mas o que fazer quando se tem pistantrofobia?

Quem sofre de pistantrofobia tem medo de confiar nas pessoas por ter tido experiências negativas no passado. Mas é importante salientar que esse medo é exagerado, e não qualquer receio bobo. É algo que impede a pessoa de tentar novos relacionamentos, novos vínculos. Toda vez que um pistantrofóbico se depara com uma situação que relembre relacionamentos passados, ele começa a "reviver" todo o sofrimento que teve um dia com seus ex-parceiros, e isso faz com que ele fuja de qualquer possibilidade de um relacionamento futuro. O que fazer então para se libertar desse sentimento ruim que impede você de ter novos relacionamentos saudáveis?

https%3A%2F%2Ffbcdn-sphotos-h-a.akamaihd.net%2Fhphotos-ak-xap1%2Ft31.0-8%2F10365467_10152244864138801_8583513140665150315_o.jpg

O primeiro passo é aceitar a realidade. Nem todo mundo aceita. Não é fácil. É preciso tempo, e geralmente passamos por altos e baixos. Recaídas, revolta, negação, ansiedade, sentimentos de depressão, e por fim, se tudo der certo, a aceitação. Mas mesmo com ela, mesmo aceitando que não há mais o que fazer, às vezes surge um trauma. E a simples ideia de acontecer tudo de novo faz com que evitemos qualquer outro relacionamento. Aceitar, acima de tudo, é admitir determinada realidade. Compreender que independentemente de qualquer ação nossa, o estado de fato não mudará. Mas admitir não significa necessariamente concordar. Não é porque você admitiu que levou um pé na bunda de alguém que você concorda com isso. Você pode continuar inconformado com a situação, mas se a aceita, declara para si mesmo que reconhece o “status atual”.

Muitas pessoas até conseguem reconhecer esse “status atual” depois de algum tempo, mas o maior problema está na tentação em negar a realidade. Se você aceita que terminaram um relacionamento com você, é preciso aceitar a realidade e suas consequências. Não precisa concordar, talvez a pessoa tenha sido injusta, ingrata, incoerente, mas acabou. Aceitar e se livrar do hábito de negar que está tudo diferente de como sempre foi. É esse tipo de atitude que cria traumas desnecessários na sua vida. Quanto mais você nega a realidade, mais estresse sobre tal fato você cria. Quanto mais você vive a “não-aceitação” mais dor você sente. É preciso uma reação radical para se livrar disso. Aceitar a realidade e conviver com suas consequências, independente de quem era a pessoa amada.

danilis.png

E o que mais posso fazer para me “livrar das garras desse amor gostoso”? A tarefa não é simples, mas há outro caminho que deve ser seguido juntamente com a aceitação da realidade: resistir a dor em vez de fugir dela. Você só consegue superar o rompimento de uma relação amorosa se aceitar que sentirá dor emocional, mas que isso é normal e que você superará em algum momento. Aguente firme! Não fuja! Se fizer isso, sofrerá por alguns dias, mas encontrará a liberdade em seguida. O vencedor nem sempre é aquele que sai por cima. Mas normalmente quem sofre primeiro é aquele que foi deixado para trás. Eu disse sofre primeiro, e não sofre mais ou sofre para sempre. Não importa quem você seja, se aceita que perdeu, você se liberta, e preserva o amor que um dia existiu.

Outra forma de acelerar a passagem do sentimento de perda é perdoar. Fazendo isso você sente menos raiva, menos rancor, menos inquietação mental. Se você aceita e perdoa você se liberta das sensações vinculadas ao término do relacionamento e fica mais leve. Mas perdoar não é fácil e precisa ser praticado desde já. São poucos os que aprendem a perdoar, e consequentemente poucos os que aproveitam os benefícios desse ato. Perceba que perdoar não é declarar que a outra pessoa é isenta de culpa, mas sim que você mesmo sabendo da culpa do outro, releva e desconsidera o erro, aceita. O maior beneficiado disso, acredite, é você. Portanto reconhecer as fraquezas humanas em outra pessoa ajuda e muito a sua aceitação da realidade. Quer se livrar do ódio que sente e da raiva que impera dentro de você? Perdoe.

perdc3a3o.jpg

Aceitando a realidade, resistindo a dor e perdoando uma possível conduta injusta da outra pessoa, possibilita evitar traumas que podem criar em você uma pistantrofobia futura. Quer coisa pior do que perder a chance de conhecer uma pessoa interessante simplesmente pelo fato de temer ser abandonado novamente?

Suas experiências negativas passadas não podem afetar tanto a sua vida presente a ponto de impedir que você seja feliz novamente como já foi um dia. Liberte-se!

Agressão de Policia Israelita a adolescente Americano

Julho 6, 2014

EUA “PROFUNDAMENTE PERTURBADOS” COM AGRESSÃO DE POLÍCIA ISRAELITA A ADOLESCENTE AMERICANO

6 Julho, 2014

Família Abukhdeir

Tariq Abu Khder, o jovem palestiniano agredido pela polícia israelita

Tariq Abu Khder, o jovem palestiniano agredido pela polícia israelita

Os Estados Unidos mostraram-se hoje “profundamente perturbados” com as notícias que dão conta que um adolescente norte-americano terá sido “brutalmente agredido” pela polícia israelita, numa altura em que aumentou a tensão entre Israel e a Palestina.

Os pais de Tariq Abu Khder, um adolescente de 15 anos, primo do jovem palestiniano morto no início desta semana, disseram à Agência France Presse (AFP), que o seu filho foi preso em Shafat, depois de ter sido espancado na quinta-feira, pela polícia, durante umas férias naquela zona.

A porta-voz do Departamento de Estado norte-americano, Jen Psaki, afirmou que os Estados Unidos “condenam veementemente qualquer uso excessivo da força”, referindo-se ao alegado espancamento do adolescente. Há três dias consecutivos que ocorrem confrontos entre palestinianos e as forças de segurança de Israel.

U.S. Department of State / Flickr

A porta-voz do Departamento de Estado norte-americano, Jen Psaki, com o Secretário de Estado, Jim Kerry

A porta-voz do Departamento de Estado norte-americano, Jen Psaki, com o Secretário de Estado, Jim Kerry

Os confrontos foram motivados pela morte do primo de Tariq, Mohammed Abu Khder, de 16 anos, que foiqueimado vivo, depois de ser sequestrado, segundo os primeiros relatórios da autópsia divulgados hoje pelos meios de comunicação social da Palestina.

Os palestinianos acreditam que Mohammed Abu Khder foi assassinado como vingança pelo rapto, a 12 de junho, no sul da Cisjordânia, e assassinato de três adolescentes israelitas. Israel acusa o Hamas de ter sequestrado e assassinado os três jovens, mas o grupo islâmico nega as acusações.

A porta-voz do Departamento de Estado norte-americano confirmou que Tariq ainda está detido em Jerusalém, tendo já sido visitado por um representante do consulado norte-americano da capital declarada de Israel.

“Estamos profundamente perturbados com os relatos que dão conta de que Tariq foi brutalmente agredido enquanto estava detido”, refere um comunicado hoje divulgado pelo Departamento de Estado, assinado por Jen Psaki. Os Estados Unidos, refere a mesma nota, “pedem uma investigação célere, transparente e credível e a responsabilização por qualquer uso excessivo da força”.

Nos últimos dias aumentou também o lançamento de ‘rockets’ sobre Israel, a partir da Faixa de Gaza, aumentando o receio de uma escalada de violência com o movimento islamita Hamas, que controla aquele enclave.

“Reiteramos a nossa preocupação com o aumento dos incidentes violentos e apelamos a todas as partes para que tentem restaurar a calma e evitem provocar danos em inocentes”, pode ainda ler-se no comunicado.

No Youtube foi partilhado um vídeo no qual é possível ver-se o que parecem ser polícias israelitas a baterem e pontapearem uma pessoa algemada e semi-inconsciente, que alegadamente será Tariq, antes de a levarem para outro local.

Os pais de Tariq, que o viram num hospital israelita, afirmaram ter-lhes sido dito que o filho foi preso por estar mascarado.

O porta-voz da polícia israelita, Luba Samri, não soube confirmar se seria Tariq no vídeo divulgado no Youtube, mas confirmou que as imagens são da detenção de um grupo de seis palestinianos, do qual Tariq fazia parte. O ministro da Justiça de Israel, por outro lado, disse que o vídeo está a ser investigado.

Luba Samri diz que Tariq, que atacou polícias e resistiu à detenção, tinha na sua posse uma funda.

O porta-voz afirmou ainda que os outros jovens tinham atirado pedras e cocktails Molotov, tendo ferido seis agentes. Tariq deverá ser ouvido num tribunal de Jerusalém no domingo.

CASCAIS

Julho 3, 2014

 

MAIS DE 500 MIL EM CASCAIS PARA VER OS AVIÕES

 

Canal C Cascais

-

Mais de 500 mil pessoas são esperadas na Baía de Cascais, entre esta sexta-feira e domingo, para assistir à NOS Air Race Championship, uma corrida de aeronaves inédita em Portugal, que conjuga a competição com o espetáculo acrobático.

A ideia foi proposta por Nuno Moleirinho e Sérgio Teixeira que, depois de terem presenciado o espetáculo em Reno, nos Estados Unidos, decidiram trazer o projeto para Portugal.

“Há grandes expetativas, temos pilotos fantásticos, internacionais, com muita experiência e que vão abrilhantar a Baía de Cascais”, afirmou Nuno Moleirinho à agência Lusa, sublinhando que a intenção é levar o projeto a toda a Europa.

A competição traduz-se numa corrida de oito aviões ao mesmo tempo numa pista oval entre a Praia do Tamariz e a Marina de Cascais.

O circuito será delimitado por infraestruturas próprias a 25 metros do mar e que as voltas, num total de dez, serão “muito rápidas e com muita adrenalina”.

Numa primeira fase, correm quatro aviões de cada vez que serão cronometrados e uma superqualificação, em que dois aviões correm em simultâneo.

No final, serão contabilizados os melhores tempos e a corrida de acordo com uma grelha final, em que os aviões partem alinhados e à frente vai o que teve melhor tempo.

A competir estarão duas classes de aviões: a classe “vintage”, cuja estética remonta aos aviões da Segunda Guerra Mundial, e a classe “extreme”, mais modernos e vocacionados para acrobacias.

O arranque do evento foi dado esta quarta-feira, no aeródromo de Tires, numa cerimónia presidida pelo ministro da Defesa, José Pedro Aguiar-Branco, que destacou a “NOS Air Race Championship” como uma “parceria público privada virtuosa”.

“Faz todo o sentido que haja uma associação da Força Aérea com este evento e da visibilidade da aeronáutica, de Cascais e de Portugal, por isso é que é uma parceira público privada virtuosa”, disse o ministro.

Aguiar-Branco considerou ainda a iniciativa “muito importante” por ser uma forma de as Forças Armadas poderem “mostrar a sua polivalência” e a sua vertente de “serviço publico”.

“Às vezes estranham que as Forças Armadas se juntem a este tipo de iniciativas, mas isso não tem nada de estranho, porque há essa intenção de aproximação às pessoas”, sustentou.

“LIKE A ROLLING STONE”

Junho 25, 2014

 

 

MANUSCRITO DE “LIKE A ROLLING STONE” DE BOB DYLAN VENDIDO POR 2 MILHÕES DE DÓLARES

Bob Dylan

Bob Dylan

O manuscrito do poema “Like a Rolling Stone”, de Bob Dylan, que o catapultou para o estrelato em 1965, foi hoje arrematado em leilão por dois milhões de dólares norte-americanos.

A letra original manuscrita por Dylan “Like a Rolling Stone“, que o tornou ícone do rock, foi à praça através da leiloeira Sotheby´s com um valor base que oscilava entre um e os dois milhões de dólares.

“Like a Rolling Stone” foi nomeada pela revista Rolling Stone como a maior entre as 500 maiores canções de todos os tempos, e a leiloeira Sotheby´s, por seu turno, afirmou que este poema transformou o curso da música pop no século XX.

“O Santo Graal de letras de rock tomou o seu lugar de direito como o manuscrito da música popular mais caro vendido em leilão”, disse Richard Austin, da Sotheby´s.

“Estou muito feliz por ver tantos colecionadores reconhecendo a importância desta letra como uma obra de história cultural do século XX”, disse à AFP Austin.

Várias versões de “Like a Rolling Stone” foram interpretadas por músicos como Jimi Hendrix, David Bowie e os próprios Rolling Stones.

 

Outro poema autógrafo de Dylan, o hino de protesto “A Hard Rain a-gonna Fall”, foi arrematado por 485.000 dólares.

No mesmo leilão, uma guitarra de John Lennon alcançou os 305.000 dólares, e um “macacão pavão” usado por Elvis Presley foi vendido por 245.000 dólares.

Entre as peças não arrematadas consta um piano usado por John Lennon quando gravou o álbum “Imagine”, que foi à praça com uma licitação entre os 100.000 e os 200.000 dólares.

CLARICE LISPECTOR

Maio 30, 2014

Clarice Lispector e o seu jornalismo instrospectivo

 

 

clarice12.jpg

Antes de produzir o seu primeiro romance, Perto do Coração Selvagem, Clarice Lispector já atuava na Agência Nacional, órgão governamental da Era Vargas, que tinha parceria com o Departamento de Imprensa e Propaganda (DIP), no qual exerceu o ofício de tradutora. Depois foi encaminhada para o setor de reportagem, trabalhando como editora e repórter e para o jornal A Noite. Também escreveu reportagens e artigos que foram publicados nos jornais do Rio e em outros estados.

clariceeee.png

Logo depois trabalhou em Correio da Manhã, Diário da Noite, Senhor, Manchete, Fatos e Fotos e Jornal do Brasil. Escreveu cerca de 450 colunas que abordavam o universo da mulher e como entrevistadora, publicou cerca de 100 textos e 300 crônicas. Também atuou, em 1952, no tablóide antigetulista chamado Comício, como Tereza Quadros e em 59, utilizando o pseudônimo Helen Palmer.

Se por um lado, alegava que detestava dar entrevistas porque a deformava, por outro lado, Clarice gostava de entrevistar. Nelas, mantinha uma certa singularidade: o diálogo introspectivo.

lispector-1.jpg

Era uma espécie de pingue-pongue, quase um jogo de perguntas e respostas com algumas alternâncias, juntamente com questionamentos que suscitavam um mergulho no interior dos seus entrevistados. Segundo ela, era preciso se expor para conseguir captar a confiança dos entrevistados, a ponto deles próprios também se exporem.

Em uma das entrevistas, Clarice pede uma autodefinição à cantora Maísa: – Como é que você se define Maísa? – Uma pessoa essencialmente boa de coração, bastante insegura, mas já a caminho do encontro. Nunca fiz meu autorretrato.

Mesmo não tendo o "enfoque jornalístico", como o Zevi Guivelder, chefe de redação da revista Manchete alegava, Clarice domava bem a arte de "olhar para dentro". Isso já bastava.

Peter Murphy

Maio 24, 2014

Joey Blake and Bobby McFerrin vocal improvisation

Maio 23, 2014

PETER MURPHY

Maio 23, 2014

PETER MURPHY VOLTA A SÃO PAULO

 

Mal parece ter saído do Brasil e já está de volta.
Peter Murphy fará show de lançamento de seu novo trabalho, LION, mas sem descartar os clássicos de outrora.

 

 

 

desktop.jpg Foto Divulgação

Peter Murphy, o líder da lendária banda pós-punk, Bauhaus, voltará ao Brasil. Mas dessa vez, ele chega com os dois pés na porta, para o lançamento de seu novo disco LION.

A última passagem do britânico morcego em terras tupiniquins foi a menos de um ano, na gélida noite de 13 de agosto de 2013, comemorando os 35 anos da banda que deu vida ao estilo Gothic Rock. Nessa data, o repertório foi 90% Bauhaus e o restante, músicas de seu trabalho solo.

Dessa vez, a celebração será pelo novo trabalho, o disco LION, com previsão de lançamento para Junho. Mas isso não significa que seus clássicos não surgirão sobre o palco. Obviamente pérolas de 1979 a 1983 virão para nos encher os olhos.

A realização deste show fica sob responsabilidade da produtora Let’s Move Retro, que já trouxe nomes como Wayne Hussey (The Mission), Andy Rourke (The Smiths), entre outros. E, em listas futuras já tem DE/VISION, New Model Army e, por aí vai.

LION.jpg

Dia 19 de julho de 2014, às 21h00

LOCAL: CLUBE PRIMEIRO DE MAIO

AV. PORTUGAL, 79 – SANTO ANDRÉ – SP

Para quem ainda não viu, nem ouviu nada do novo trabalho do senhor de 56 anos. Aí vai:

HANG UP

 

I AM MY OWN NAME